Salvador

Câmara pode votar na quinta relatório que define Carnaval de Salvador sem ‘Furdunço’ e ‘Pipoco’

Em caso de aprovação, o documento levará aos gestores estadual e municipal a proposta de que o passaporte da vacina seja cobrado desde a comercialização de abadás e camarotes

O relatório em que constam os pontos que devem nortear a realização do Carnaval 2022 está pronto para ser entregue ao prefeito de Salvador, Bruno Reis (DEM), e ao governador da Bahia, Rui Costa (PT). Antes, contudo, será apresentado à Comissão Especial de Acompanhamento da Retomada de Eventos, informou ao Metro1, nesta terça-feira (26), o presidente do colegiado, vereador Claudio Tinoco (DEM). A ideia é que a análise e votação do relatório aconteçam na próxima quinta-feira (28).

O evento foi pauta de uma audiência pública, na última terça-feira (19) — ocasião em que o comando da Polícia Militar cobrou respostas acerca do assunto. Além do já comentado controle de acesso, com cobrança do passaporte da vacina por meio dos portais, o texto propõe que a festa seja reduzida a sete dias — sem o arrastão da Quarta-Feira de Cinzas, sem o Pipoco de Léo Santana, e com o Fuzuê e Furdunço sujeitos à aprovação da gestão municipal.

“Há a possibilidade, por exemplo, de que eles [Fuzuê e Furdunço, que tradicionalmente acontecem um fim de semana antes] sejam transferidos para o período entre a quarta-feira da abertura e a terça de encerramento”, conta Tinoco, ao reafirmar que a capital “é capaz de realizar as adequações” para que a festa aconteça de forma segura. À reportagem, Tinoco afirma ainda que o planejamento da Polícia Militar está pronto e que a informação também consta no relatório.

Em caso de aprovação, o documento levará aos gestores estadual e municipal a proposta de que o passaporte da vacina seja cobrado desde a comercialização de abadás e camarotes. Tinoco afirma que o ponto avançou com a garantia de cobrança por parte das produtoras das estruturas privadas e blocos. “De forma geral, o documento propõe adequações ao que já é planejado nas condições originais do Carnaval”.

Embora reconheça que não é possível fazer um controle total de todos os foliões nos acessos aos circuitos oficiais da festa, Tinoco avalia que a segurança sanitária do evento está diretamente associada à cobertura.

 

LEIA MAIS;

“Estamos em zona de alerta”, afirma secretária da saúde com relação à Covid-19

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, precisamos de anúncios para que possamos continuar te mostrando informações de credibilidade. Recomendamos que você desative o Adblock.