Salvador

QUE PERIGO! Defesa Civil aponta que 90% de casarões antigos correm algum risco de desabar; maioria tem moradores

90% dos 639 casarões antigos existentes em Salvador e cadastrados junto à Defesa Civil municipal (Codesal) correm algum risco de desabar. Foi o que revelou um levantamento feito pelo órgão. A situação é ainda mais preocupante porque de cada 10 imóveis, seis estão habitados.

A maioria desses casarões está localizado no bairro do Comércio e na região do Centro Histórico. Dos que apresentam algum risco, conforme a Codesal, 140 podem desabar a qualquer momento.

Em um dos imóveis, na Rua do Julião, no Comércio, moram sete famílias. Em outro casarão na mesma região, as estruturas de ferro usadas para escorar o imóvel estão tão oxidadas que algumas partes já se quebraram.

A Codesal disse que notifica os proprietários dos imóveis e alerta os moradores sobre os riscos. “Quando a gente encontro o proprietário, a gente notifica ele para a recuperação estrutural. Quando a gente não encontra o proprietário — na maioria das vezes os casarões são abandonados e invadidos — a gente notifica, em caso de risco iminente, os moradores, para que eles desocupem. E esses moradores precisam sair. A gente encaminha para o setor social da Codesal para que eles entrem no benefício, no auxílio emergencial”, afirmou ao G1, a subcoordenadora de áreas de risco do órgão, Rita Moraes.

Por meio de nota, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e o Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural da Bahia (Ipac) disseram que fazem vistorias para identificar problemas para preservar o patrimônio cultural, mas que a responsabilidade pela conservação, limpeza e segurança do imóvel, mesmo estando tombado, é do proprietário.

Foto: Corpo de Bombeiros/Divulgação

LEIA MAIS;

“Operação Armadilha” prende homem que ofertava falsa vaga de emprego em site de anúncios

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar

Adblock detectado

Por favor, considere apoiar-nos, desativando o seu bloqueador de anúncios