Politica

Oposição protocola novo pedido de impeachment de Bolsonaro por crise com Forças Armadas

Por tentativa de interferência nas Forças Armadas e “ameaça à democracia”, Líderes de oposição na Câmara e no Senado apresentaram nesta quarta-feira, 31, um novo pedido de impeachment contra o presidente Jair Bolsonaro (sem partido).

O pedido foi protocolado na Câmara dos Deputados um dia após a demissão conjunta dos três comandantes das Forças Armadas. Por discordarem de Bolsonaro, os três haviam colocado o cargo à disposição, mas o presidente se antecipou e os demitiu antes que a renúncia fosse oficializada.

No dia anterior, Bolsonaro havia demitido o ministro da Defesa, o general Fernando Azevedo. Seu substituto é o general Walter Braga Netto, próximo a Bolsonaro e que até então era o chefe da Casa Civil da Presidência.

Pela legislação, cabe ao presidente da Câmara decidir, de forma monocrática, se há elementos jurídicos para dar sequência à tramitação do pedido. Nesse caso, o impeachment só é autorizado a ser aberto com aval de pelo menos dois terços dos deputados (342 de 513), depois de votação em comissão especial.

O pedido de impeachment é assinado pelos líderes da minoria e da oposição da Câmara, respectivamente Marcelo Freixo (PSOL-RJ) e Alessandro Molon (PSB-RJ); do Senado, Jean Paul Prates (PT-RN) e Randolfe Rodrigues (Rede-AP), e pelo líder da minoria no Congresso Nacional, deputado Arlindo Chinaglia (PT-SP).

No pedido, os congressistas afirmam que Bolsonaro tenta controlar e utilizar politicamente o Exército, durante a pandemia.

Segundo os parlamentares, o presidente rompe com a tradição do Exército ao excluir generais mais antigos da linha sucessória “por já terem demonstrado publicamente que são a favor da ciência, do distanciamento social, do uso de máscaras e da ampliação da vacinação na guerra contra a covid-19.”

Os parlamentares incluem no rol de testemunhas o general Azevedo, os três comandantes demissionários e ex-ministros da Defesa, como Celso Amorim, Nelson Jobim e Raul Jungmann.

Eles afirmam ainda que Bolsonaro quer usar as Forças Armadas para “promover seu projeto autoritário de poder”.

As informações são dos jornais Folha de S. Paulo, O Estado de S. Paulo e site G1.

LEIA MAIS;

Com apoio de Suíca, União Santa Cruz realiza distribuição de Peixes para a Semana Santa na Santa Cruz  

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, precisamos de anúncios para que possamos continuar te mostrando informações de credibilidade. Recomendamos que você desative o Adblock.