Politica

Moro está sofrendo pressão para abandonar anseios políticos e sair do país, diz colunista

O ex-juiz titular da 13ª Vara Federal de Curitiba -responsável pela operação que deflagrou a Lava Jato – e ex-ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, está sofrendo pressão da família para sair do Brasil para dar aulas de direitos.

A estratégia da família, segundo a coluna de Mônica Bergamo da Folha de São Paulo, é evitar uma continuidade na vida política, afetando assim um eventual projeto eleitoral de concorrer à Presidência.A mulher do ex-juiz da Lava Jato, Rosângela Moro, tem repetido a interlocutores que o marido já deu a contribuição que tinha que dar ao país e que a política partidária, com seus embates selvagens, não seria para ele. Estaria na hora de novamente cuidar da vida pessoal e profissional. O próprio Moro também já disse a políticos que o visitam que não se sente inclinado a disputar um cargo eleitoral.

Saída do governo

O ex-juiz baixou o tom nas redes sociais em relação a Bolsonaro —e até já disse, em conversas reservadas, que não deveria ter saído do governo da forma que fez: atirando.

O movimento lava-jatista, do qual Moro é estrela, tem sofrido derrotas seguidas na esfera política. A indicação do desembargador Kassio Nunes Marques para o STF (Supremo Tribunal Federal) é a mais recente delas —deixando o ex-ministro e seus seguidores cada vez mais isolados.

A segurança é outra preocupação da família do ex-ministro: neste mês ele acaba de cumprir a quarentena obrigatória desde que saiu do Ministério da Justiça, perdendo também o direito a escolta da Polícia Federal.

 

Fonte: BNews

 

LEIA MAIS; Fim do auxílio emergencial deve deixar 38 milhões sem assistência, diz FGV

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, precisamos de anúncios para que possamos continuar te mostrando informações de credibilidade. Recomendamos que você desative o Adblock.