Politica

Lula inicia governo com 41% de avaliação positiva, aponta Ipec

Presidente está aquém da avaliação que teve em seus dois mandatos anteriores

Uma avaliação de governo melhor do que a de Jair Bolsonaro (PL). Assim começou Luis Inácio Lula da Silva (PT) o terceiro mandato como presidente da República.

De acordo com dados da última pesquisa Ipec, 41% dos brasileiros classificam a administração de Lula como boa ou ótima. Outros 24% dizem que é ruim ou péssima, enquanto 30% consideram o início do governo regular.

Em março de 2019, Bolsonaro era avaliado de forma positiva por 34% da população, sete pontos percentuais a menos do que Lula, já que 24% reprovavam o então presidente.

A melhor fase de Bolsonaro na Presidência foi logo no primeiro mês de mandato, em janeiro de 2019, quando tinha a aprovação de 49%. Após isso, o máximo que atingiu foi o patamar de 40% de avaliações positivas, em setembro de 2020, justamente pelo auxílio emergencial pago na pandemia.

Apesar de superar o adversário, Lula está aquém dos dois mandatos anteriores. Ele chegou a ter 51% de ótimo e bom em março de 2003, quando governou o país pela primeira vez. Na ocasião, a reprovação era de apenas 7%. Ao fim do mesmo mês de 2007, logo após a reeleição, o petista tinha o endosso de 49% da população, contra 16% que o achavam ruim ou péssimo.

A pesquisa mostra que o Nordeste é o lugar em que o petista tem o maior percentual de aprovação (53% de ótimo ou bom). A maior rejeição ao governo está no Centro-Oeste e no Norte: são 31% os que reprovam a atual administração. No Sudeste, 36% têm percepções positivas, contra 26% que pensam o oposto.

 

LEIA MAIS;

YouTube põe fim a “recurso” irritante que era odiado por usuários; confira

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar

AdBlocker Detectado

Por favor desative seu Ad Blocker ou nos adicione como exceção.