Coronavirus

ACM Neto mantém restrições no Nordeste de Amaralina

Anúncio ocorreu na manhã desta quinta-feira (13), em Salvador. Prefeito informou que ações serão realizadas por mais uma semana no Nordeste de Amaralina.

O prefeito de Salvador, ACM Neto, anunciou na manhã desta quinta-feira (13) que vai manter por mais uma semana as medidas restritivas mais severas para conter a propagação do coronavírus, no bairro do Nordeste de Amaralina, em Salvador.

O anúncio ocorreu durante coletiva de inauguração do Caminho da Fé, trecho da Cidade Baixa entre o Santuário de Dulce dos Pobres e a Igreja do Bonfim, que foi reformado pela prefeitura. Além disso, Neto disse que as ações serão retomadas no bairro de São Cristóvão. O bairro recebeu as medidas restritivas em julho deste ano.

“Nós vamos voltar a São Cristóvão porque o bairro registra 1.245 casos da Covid-19. Somente em agosto, nesses 13 dias, foram 255 casos no bairro. Nos últimos 7 dias, em apenas uma semana, são 168 casos no bairro. Não dá. Estamos com número muito alto, preocupante. Quando a gente olha os bairros que estão tendo o maior número de casos nos últimos 30 dias e nos últimos sete dias temos Pernambués, Nordeste, Santa Cruz e São Cristóvão. Pernambués, Nordeste e Santa Cruz, nós já estamos. No próximo sábado (15) haverá o fechamento das atividades em São Cristóvão”, explica.

Como o Nordeste de Amaralina também está na lista dos bairros com grande número de casos da Covid-19, o prefeito destacou a importância de que as medidas sejam mantidas no local.

“Hoje está vencendo o prazo da presença das ações no Nordeste. Estamos há cinco semanas no bairro do Nordeste, mas o número de casos não se reduz. Nós vamos prorrogar por mais uma semana e espero que seja a última semana”, disse ACM Neto.

As informações são do G1

LEIA MAIS;

Salvador tem 15 bairros com mais de mil casos de Covid-19; confira lista

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor, precisamos de anúncios para que possamos continuar te mostrando informações de credibilidade. Recomendamos que você desative o Adblock.