Esporte

Thiago Silva vê vaias injustas em Salvador e diz que o Brasil fez uma boa partida

Dois jogos, dois locais diferentes, duas partidas com vaias. Na noite desta terça-feira (18), a Seleção Brasileira não conseguiu vencer a Venezuela na Arena Fonte Nova e ouviu vaias da torcia baiana. Os apupos, porém, na visão do zagueiro Thiago Silva, foram injustos.

“Não (foram justas as vaias), ao meu modo de ver. Principalmente porque a Venezuela pouco criou. Toda a segunda bola era nossa, sempre recuperávamos e atacávamos de novo, mas dificilmente dava para acelerar o jogo. As vezes nos precipitamos e perdemos a confiança com o erro. Mas a equipe se comportou bem, quando não faz o gol parece tudo errado”, afirmou.

Na estreia com vitória sobre a Bolívia, no Morumbi, a Seleção foi vaiada ainda no primeiro tempo, e, no restante da partida, o silêncio tomou conta do estádio paulista. Após o duelo, Daniel Alves chegou a alar que esperava um “axé” diferente na Bahia, nesta terça-feira.

“Acredito que, primeiramente, (faltou) um pouco mais de paciência no último passe, mas como um todo, foi um jogo bom da nossa parte. Encontramos uma equipe muito fechada, na área deles, e apara encontrar os passes fica difícil. O Everton entrou muito bem no jogo. Por um detalhe não conseguimos sair com a vitória”, completou.

A Seleção Brasileira chegou a balançar as redes três vezes, mas todos os gols foram anulados, sendo dois deles por interferência do VAR. Ainda assim, os anfitriões são líderes com 4 pontos, à frente do Peru apenas por um gol a mais de saldo. A Venezuela tem dois pontos e a Bolívia nenhum.

 

Fonte: Redação Galáticos

LEIA MAIS;

Saída da cidade apresenta fluxo intenso nesta quarta em Salvador

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Botão Voltar ao topo
Fechar

AdBlocker Detectado

Por favor desative seu Ad Blocker ou nos adicione como exceção.