MundoNotícias

Conflito no Irã coloca em risco fornecimento mundial de petróleo

As tensões entre Irã e Estados Unidos podem comprometer o fornecimento do petróleo que circula pelo Estreito de Ormuz e reduzir a produção no Iraque – apontam analistas ouvidos pela AFP.

Após o assassinato no Iraque, na sexta-feira passada, 3, do general iraniano Qassem Soleimani, em um ataque americano, os preços do petróleo dispararam. Depois, começaram a estabilizar, porque a oferta no Oriente Médio não se viu afetada.

Os preços de referência do barril de Brent do Mar do Norte, em Londres, e do WTI, em Nova York, variaram bastante durante a sessão desta quarta-feira. Depois que o Irã lançou um ataque de retaliação com mísseis contra bases no Iraque onde há tropas americanas e britânicas, os preços dispararam.

Horas mais tarde, o presidente americano, Donald Trump, reduziu a tensão dos mercados ao afirmar que “o Irã parece estar recuando, o que é algo bom para todas as partes interessadas e muito bom para o mundo”.

“Não foram perdidas vidas americanas ou iraquianas”, disse o mandatário, que anunciou sanções adicionais contra o regime de Teerã.

Às 17h GMT (14h de Brasília), o barril de WTI para fevereiro caía 4,27%, a 60,02 dólares, e o barril de Brent para março valia 65,69 dólares.

Os investidores, contudo, temem que Teerã tente bloquear o Estreito de Ormuz, um ponto de passagem importante, por onde circulam os navios petroleiros.

Esse estreito, um dos mais congestionados do mundo, é crucial porque permite que o petróleo da região seja levado para os mercados da Ásia, da Europa e da América do Norte.

“As interrupções no fornecimento estão agora no topo da agenda dos investidores”, disse o presidente da Sun Global Investments, Mihir Kapadia.

Em 2018, cerca de 21 milhões de barris transitaram por dia.

O estreito foi afetado no ano passado por uma série de ataques contra petroleiros, atribuídos ao Irã tanto pelos Estados Unidos quanto por seus aliados. Teerã negou qualquer envolvimento nestes episódios.

Os países ocidentais também acusam o Irã de ser responsável por um ataque contra instalações de petróleo na Arábia Saudita.

Nos últimos meses, o Irã imobilizou vários petroleiros que circulavam no Golfo.

Os investidores não estão tão preocupados com a queda na produção no Irã, país que se encontra sob sanções, reimpostas por Donald Trump em 2018. O mercado teme, porém, pela produção no Iraque, de acordo com Christopher Haines, analista da Energy Aspects, principalmente se as tropas americanas deixarem o território.

“Existe um risco potencial de interrupção da produção no Iraque, onde as exportações representam cerca de 3,5 milhões de barris por dia”, disse Haines à AFP.

“Se as tropas americanas deixarem a área, será menos seguro”, acrescentou.

O Iraque é o segundo país mais importante da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), atrás da Arábia Saudita.

Segundo o analista Bjarne Schieldrop, da consultoria SEB, a produção iraquiana poderá ser afetada no futuro por esta crise.

Na sexta-feira (3), tanto o barril de Brent, o petróleo de referência na Europa, quanto o WTI, seu equivalente nos Estados Unidos, subiram mais de 3%.

Foi um nível inferior, porém, ao registrado em 16 de setembro, quando ambos subiram 14% após o ataque às infraestruturas de petróleo na Arábia Saudita.

LEIA MAIS;

Dois foguetes atingem região onde fica embaixada dos EUA no Iraque

Etiquetas

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar

Adblock detectado

Por favor, precisamos de anúncios para que possamos continuar te mostrando informações de credibilidade. Recomendamos que você desative o Adblock.